Toda vez que resolvo comemorar o aniversário de Isadora, coloco a diversão em primeiro lugar. E tem que ser diversão compartilhada e  não cada um se divertindo sozinho, quero ver a meninada correndo de um lado pro outro, rindo junto, brincando junto!
No aniversário de 8 anos foi bem assim. Ela diz que até hoje os colegas comentam como foi legal!

Dessa vez não podia ser diferente, e o mote foi literalmente diversão.
Escolhemos essa palavra pra ser o ponto de partida e pra nortear a “montagem” da comemoração usamos o tema: “Jogos não eletrônicos.”

Preparar identidade visual pro aniversário de Isadora é fácil e desafiador ao mesmo tempo.
Isadora tem muita personalidade, sabe o que quer! Não gosta de rosa e suas variantes, nem de temas muito femininos. Usar algo que ela não goste e convencê-la que fica legal não é fácil. A gente “briga” mais que tudo até o layout sair!
O bom é que por conta dela saber muito bem do que gosta e do que não gosta o resultado fica sempre a “cara” dela.
A dose certa de fofura e descontração com esses mostrinhos divertidos e simpáticos!

Escolhi acoplar, no convite, um botton, dessa forma ficava mais interativo e as crianças poderiam usar no dia do aniversário! Serve inclusive pra festas que precisam de identificação (o que não foi o caso porque a comemoração foi em casa)
No convite gosto sempre de deixar claro que não é uma festa e sim uma momento de brincadeiras, para que as crianças estejam bem a vontade.


Isabela veio (foi…rs) pra participar, porque nunca teve a oportunidade de estar num aniversário de Dora.
Me ajudou com os preparativos todos e foi uma ajuda e tanto! Eu não faço muitas coisas, não faço decorações excessivas e mesmo assim é um trabalho e a ajuda dela foi fundamental. Sem contar que tê-la por perto é sempre bom!


Uma coisa que eu prezo quando comemoro o aniversário dela é a lembrança. Prefiro gastar com isso do que com uma mega decoração, cheia de balões e coisas que não vão perdurar. Então, além da sacolinha de doces (que não pode faltar, senão parece que não teve aniversário) sempre faço alguma coisa legal e, preferencialmente, útil. Para as sacolinhas eu apenas enchi quadradinhos de tecido com os doces e amarrei em cima com uma fita personalizada e pendurei uma tag de agradecimento. Já a lembrancinha, fiz um kit de jogos para viagem que  consiste numa sacolinha com 6 plaquinhas rígidas com material de lousa com jogo da velha, batalha naval, forca, pontinhos e lousa. Aproveitamos a parede para giz com a estante amarela pra arrumar as lembrancinhas e sacolinhas, além de potinhos de bolinha de sabão – atração para crianças entre 8 meses e 80 anos (você resiste a uma bolinha de sabão?). De um lado Isa escreveu com giz o nome de Dora com a tipografia que escolhemos e do outro lado Dora reproduziu os bichinhos.



Fotografia Dany, Danielle

Fotografia Dany, Danielle

Preparamos algumas “estações” de diversão:
Em uma parte do terraço coloquei “mesas” feitas com pneu (coloquei uma base de papelão em cima do pneu e embulhei com malha esticando bastante). Em cada mesa um jogo legal (Curral, UNO, soletrando e dominó de matemática).
Do outro lado usamos dois cavaletes e uma porta pintada de cinza para montar outra mesa. Nela, desenhamos com giz colorido tabuleiros de dama, as peças do jogo eram latinhas cheias de mini confete, quem comesse a peça do outro poderia comer o chocalate da latinha (tão simples e foi a sensação! Todo mundo queria jogar e comer chocolate). Sobre a mesa também tinha algumas pranchetas com folhinhas de batalha naval.
No jardim da frente colocamos uma mesinha baixa com desenhos para pintar e giz de cera para os menores.


Fotografia Dany, Danielle

Fotografia Dany, Danielle

Fotografia: Dany, Danielle

Fotografia: Dany, Danielle

O outro espaço desejado foi o quinta/jardim! Lá Eder sempre fazia uma brincaderia chamada “comando de valer” e depois, pra fechar com chave de ouro, banho de mangueira!
Não teve parabéns, porque Isadora não gosta, então escolhemos não fazer bolo. Fizemos muffins com cobertura de chocolate e beijinho que ficaram com carinha de cupcake enfeitados com topos coloridos. Isso facilitou o acesso das crianças que não precisaram esperar o parabéns pra comer, tudo sem protocolo nenhum.
Na mesa principal, arrumamos os bolinhos com ajuda de cestos de tamanhos diferentes pra criar níveis, docinhos variados (jujuba, confeito…) em saquinhos fechados com solapa, docinhos em forminhas coloridas e  latinhas com chocolate.
Na sala fizemos uma mesa com salgados, bolo de rolo e outros belisquetes, além de suco e água.
Não teve foto dessa vez, mas repetimos a suqueira feita com um filtro transparente como no aniversário de 8 anos, onde as crianças podiam se servir e um baleiro (esse tem foto) cheio de doces!


Quase todos os elementos utilizados estão disponíveis na La Pomme, é só clicar no banner pra conferir.
O filtro transparente para suco e o baleiro comprei no Atacadão dos Presentes (Recife)
Os docinhos, salgados e bolo de rolo foram da Casa dos Doces (Recife) (gosto do serviço deles. Tudo sempre fresquinho e gostoso com entrega no horário combinado)

E foi assim o niver de 10 anos da nossa monstrinha :) , que também foi uma espécie de despedida da #casapoço e dos amigos da escola!
Foi simples, foi em casa, foi divertido, foi do jeito que a gente ama, com pessoas queridas!

Tem mais fotos no blog da Dany!

;)

Esses dias postei no Instagr.am pintando uma parede vermelha de branco e a Rê Vitrola ficou toda feliz por ver que era possível, mas não sabia o que precisava fazer.

Outras pessoas já haviam me perguntado se dava pra fazer e se era difícil, então resolvi fazer um post explicativo!

É importante saber com qual tinta a parede foi pintada pra saber qual tinta pode ser usada por cima dela.
Tinta óleo: pra pintar por cima só com tinta óleo. Caso contrário é necessário lixar ou remover a tinta.
Tinta acrílica a base de água (brilho / semi brilho / acetinado / lavável / super lavável): pode ser coberta com tinta óleo e com tinta acrílica
Tinta acrílica fosca: pode ser coberta com tinta óleo e qualquer tinta acrílica
Tinta látex PVA: pode ser coberta por qualquer tinta

Sabendo disso fica mais fácil entender. Se você não sabe qual era a tinta, algumas observações podem te ajudar:
A tinta látex é fosca, porosa, permeável e por isso é muito fácil de cobrir. Era a tinta que tinha nas paredes daqui e com 4 demãos cobrimos tudo de branco neve!

As tintas acrílicas tem um toque mais suave, são mais lisas (mesmo a fosca) e são impermeáveis.
Depois de seco é difícil distinguir a tinta óleo (esmalte) da tinta acrílica brilho. Se a parede for muito brilho o melhor é pintar de esmalte por que é certeza que vai cobrir ou lixar a parede antes da pintura.

É isso aí :)

Tem alguém aqui que não conhece o blog Mulher Vitrola?
Se tem, tá perdendo, heim?!

Ele é escrito pela Renata Montenegro que é ilustradora e eu adoro o estilo dos desenhos dela. Imagina a minha felicidade quando passeando pelo blog achei esse poster LINDO pra download gratuito. Não pensei duas vezes, baixei e imprimi pra pendurar no quarto de Dorica.

Já está assim, fofamente pendurado quarto de Dorica e ela amou!

;)

Já é clichê, tradição, cultura ou sei lá o quê, festejar a sexta e lamentar a segunda.

Isso não faz parte do meu dia a dia. Acredito que quando a gente tá bem com a nossa vida todos os dias são dias bons. Os finais de semana são bons e os dias de semana também, cada um pelo seu motivo. Acredito, de verdade, que se você tem que fazer um grande esforço pra encarar a segunda, alguma coisa tá fora do eixo, desencaixada. É bom parar e refletir o porquê disso.

É bom curtir a família, descanso, um passeio do fim de semana, mas o trabalho durante a semana é o que, no mínimo, te proporciona tudo isso.

Já pensou como seria sua segunda se você olhasse pra ela com mais alegria e menos pesar?
{tô falando pra quem acha a segunda o pior dia da semana}
Se você visse nela mais um dia da vida para realizar coisas?

É pra pensar! Pra refletir!

Uma dica é preparar um café com mais calma, aproveitando mais cada etapa. Sair do automático. E pode parecer que isso vai tomar um pouco mais do seu tempo e te fazer acordar mais cedo, ou se atrasar, mas dá pra colocar mais amor e delicadeza na manhã de segunda {de terça, de quarta…}, não é tão difícil assim. Cortar um pão num formato diferente, sentir (prestando atenção) o cheiro do café sendo coado, colocar um música legal enquanto prepara e come. Com um pouco de vontade e atenção se encontram métodos de fazer isso sem “danos” ao relógio. Reuna as pessoas que ama pra compartilhar esse momento {e se você é só, pode ser um presente de você, pra você!}

Pegando carona nesse assunto, deixa eu mostrar uma ideia bem prática, gostosa e saudável!

Passeando pelo Facebook (eu nem faço muito isso… cof cof) me deparei com esse vídeo!

Concordei plenamente e resolvi testar. Confesso que estava bem animada pelo fato de incorporar mais um alimento que passe por menos processo industriais ao nosso dia a dia, mas meio duvidosa achando que não ia conseguir fazer de forma que ficasse gostoso o suficiente pra eu não sentir saudade da granola Tia Sônia. Não achei mesmo que seria delicioso, apenas saudável e gostoso. Me surpreendi e achei mais gostoso que a Tia Sônia. Ficou diferente da granola porque eu não assei e aí não fica crocante, mas gostei dessa forma.

Fiz uma quantidade grande pra usar sempre que desse vontade (isso acontece várias vezes ao dia). Não segui nenhum regra para os itens que coloquei nem quantidade, foi no olhão!

- Semente de chia
- Semente de linhaça
- Gergelim
- Aveia integral em flocos
- Castanha do pará
- Castanha de cajú
- Nozes
- Passas
- Damasco
- Açúcar mascavo (me arrependi de colocar porque coloquei demais e ficou muito doce e sem contar que seria uma ótima mistura pra jogar na salada, mas doce não quis arriscar)
- Coco (mas me arrependi também porque o coco tem uma validade menor e aí corro o risco de estragar tudo. O ideal é adicionar na porção que vai comer, assim como o mascavo)

E aí dá pra ir variando e colocando as coisas que mais gosta! Se fizer, vem me contar?
E aí? Topa tentar uma mudança em como você encara as segundas?
Tem mais alguém aí que também acha que há amor na segunda?

Hoje é dia é dia de Contação da Rua!
Lá na Praça da Paz (João Pessoa/PB) às 16:30h

Na contação passada Dany contou uma história MUITO bonita que fala de amor e de união. Que fala de companheirismo, de apoio, de estar junto e feliz aconteça o que acontecer.
Aqui em casa é exatmente isso que procuramos  enquanto família!

O livro fala também sobre ganância e a questão do “levar vantagem”
Vale a pena a leitura com os  pequenos e com os adultos também!

Ver Dany contando a história é contagiante ela se envolve de tal forma, que alcança quaqluer um que esteja presente. Foi bem interessante ver a mãe de Mássimo (marido de Dany), que é italiana, acompanhar a história do início ao fim com olhinhos brilhantes e arregalados e sorriso no rosto (assim como a Dany diz que tem que ser)!

Na Contação tem a Biblioteca da Rua, uma iniciativa fantástica de empréstimo livre de livros. As crianças podem pegar emprestado os livros sem nenhum tipo de burocracia e devolver quando quiser, emprestar pra outras crianças. A intenção é tirar os livros das estantes e colocar eles pra rodar, pra serem lidos e explorados.

Quem tiver livros guardado e quiser doar, por favor, doem! As crianças e o nosso pais agradecem!

Pra acompanhar a Contação

Facebook:  facebook.com/ContacaoDaRua
E um blog novinho em folha: contacaodarua.blogspot.com.br

Pra participar é só chegar na Praça da Paz (João Pessoa/PB) todo sábado (exceto o último do mês que acontece no Busto de Tamandaré). A contação é sem fins lcrativos então não vale levar coisas pra comercializar no local, heim?

Sabe quando você encontra alguém que pensa como você?
Que acredita que o bonito não precisa ser caro e que a beleza não se encaixa em padrões pré-definidos?

E quando essa pessoa resolve reunir num site várias pessoas que pensam e agem assim na decor de suas casas/ateilês/escritórios…?

É exatamente isso que o fotógrafo Rodrigo Ladeira, através do site Casa Aberta, tá fazendo.
Cada matéria me deixa mais encantada que a outra. São espaços maravilhosos, com o jeito e história das pessoas que percorrem aqueles lugares.
O da ilustradora Amanda Mol me fez ficar suspirando, não sei se pela história, pela identificação com o ateliê ou por tudo junto!

Isso é só uma pequenina parte de toda beleza que tem por lá!
As fotos foram enviandas pela Amanda para o site  Casa Aberta e eu pedi autorização pra postar por aqui!
Agora tchau, vai lá ver o quão cheio de vida e inspiração é o Casa Aberta

Volta pra me contar o que achou, tudo bem?

Faz muito tempo que eu me pergunto porque e para quê corremos tanto?
Qual o sentido de uma vida onde nunca há tempo pra nada, onde se trabalha de domingo a domingo?
Não que trabalhar seja ruim, eu amo trabalhar, produzir, criar. Mas quando só há espaço pra isso é pra se pensar… Sem tempo pra ficar com a filha, pra preparar um almoço gostoso (mesmo aquele rápido e simples) e tempo pra não pensar em nada? Pra andar na praia ou ver um filminho?

As féria de 2012 pra 2013, que nos permitimos ter, nos mostraram o que estávamos perdendo. Reforçou o questionamento: Pra quê correr tanto?
Reforçou a nossa vontade de freiar e de levar uma vida mais leve, mais calma, mais suave. Onde houvessem refeições decentes, tempo pra não pensar em nada. Tempo pra  trabalhar, produzir, mas tempo pra recarregar as energias, sem ter que esperar por férias.

Não é fácil sair do rítmo, primeiro porque temos contas pra pagar {no início, no meio e no fim do mês}. Segundo porque vencer a inércia não é fácil… No fim do dia, depois de pegar Dorica na escola, pegamos Nina e descemos até a beira da praia, estendemos uma toalha e sentamos enquanto Nina e Dora faziam farra na areia. Me peguei agoniada, inquieta. Não dava pra simplesmente sentar alí e ficar olhando o mar, era estranho poder não ter o que fazer. Tive que me controlar! E ainda assim devo ter falado umas 4 ou 5 vezes: “Vamos embora?”.
Mas morar em Jampa está no ajudando, temos uma rotina totalmente diferente, em muitos aspectos. E como é tudo novo fica mais fácil criar novo hábitos, sem contar que a cidade favorece demais, começando pelo trânsito que é bem tranquilo.

E eu tô grata por Eder ter enchido tanto a minha paciência e ficado no meu pé até que eu me rendesse a ideia de mudar pra cá! Não dá pra explicar, só vindo aqui pra entender. A cidade tem um ritmo mais leve, tudo parece um passeio! Há violência como todo lugar, mas parece ser um pouco mais segura que a média. Às nove da noite o calçadão tá cheio de gente, andando de bicicleta, patins, skate… a areia da praia ocupada também! É gostoso demais.

E pra resolver os pepinos? Ir ao mercado, banco, cartório, Correio? Tudo mais rápido (e normalmente com um atendimento cordial). Não que eu ainda esteja pensando na correria, ou talvez esteja, mas se a gente ganha tempo e faz em meia hora algo que faria em duas, sobra o tempo da caminhada na praia no fim do dia, não é mesmo?

Beijo na ponta do nariz e uma dica: Reflita mais vezes a respeito do que de fato é importante na sua vida! Por mais que pareça que está tudo bem, que a vida está como você queria, reflita! Será bom perceber que realmente tá tudo bem e as coisas estão como você gostaria. Mas você pode se surpreender com os questionamentos que podem surgir. Sempre há algo pra melhorar e sempre há tempo pra buscar o melhor!

Minha furadeira tem roupa de astronauta!

Uma diquinha rápida.
Um coletor de pó pra acabar com a poeira na hora de furar a parede.

*Não lembro onde comprei, mas acredito que venda em qualquer casa de ferramentas :)

@belasm também postou no instagr.am um vídeo com uma maneira beeem simples de reduzir o pó!

beijocas pra vocês!

Não é segredo pra ninguém {eu adoro essa frase :P } que eu amo prateleiras e que elas sempre estiveram presentes nas minhas casas. Nessa não seria diferente!
Resolvemos que aqui as paredes seriam brancas pra favorecer a iluminação, e por isso a cor {porque minha casa tem que ter cor} irá para os objetos e móveis.
As primeiras peças que ganharam cor foram as prateleiras, uma maneira simples de levar cor para as paredes brancas!

Pintar é bem fácil e o método vai depender do material que você vai usar, mas é basicamente isso:

- Limpar a peça (Se já tiver tinta ou verniz, lixar para remover)
- Dar uma demão de tinta usando um rolinho
A tinta que eu mais gosto de usar é a Coralit {cadê o patrocício, Coral?} a base d’água (já expliquei porque aqui)
- Esperar o tempo de secagem indicado na embalagem
- Lixar com uma lixa d’água bem fininha e ir repetindo esse processo (tinta / secagem / lixa) até obter a cobertura e o toque que te agrade.
É importante lixar porque a madeira tende a “arrepiar” quando recebe a tinta e a superfície fica áspera e desagradável ao toque.
- Respeite o tempo de secagem total (normalmente 72 horas) para instalar e colocar coisas em cima. Caso contrário, você terá a desagradável experiência dos objetos grudando na tinta.

Pronto, só isso!
{Eu, agoniada que sou, dei duas demãos, não lixei, não esperei o tempo suficiente de secagem. Depois sofro as consequências de meus atos}
Quer menos trabalho ainda? Compra contact colorido e forra!
Quer uma prateleira estampada? Usa tecido {já expliquei como aplicar tecido, aqui}

Eu já tinha as tábuas e suportes, então foi só pinta e instalar. Gastei apenas com a tinta.
Pra fazer prateleiras com bom custo benefício a dica é usar tábuas de pinos, elas são acessíveis e resistentes (muito mais que MDF).
É importante escolher o suporte adequado ao peso e tamanho da tábua. Nessas lojas tipo home center encontram-se os dois com facilidade.

Depois de pintadas e secas, é hora de instalar
Existe uma enorme variedade de prateleiras e suportes. Pra instalar tábuas o ideal é usar mão francesa {oi, tio Google!) ou os trilhos que usei, eles são perfeitos pra instalar várias prateleiras formando uma espécie de estante ou pra mudar a altura caso você não goste de como colocou.

Pra instalar usando mão francesa
- Meça a altura e marque com um lápis o local do furo
- Fura e fixe apenas uma mão francesa.
- Então apoie a tábua na mão francesa já fixada e com ajuda do nível bolha, ajuste a tábua para não ficar inclinado,  apoie o outro suporte, faça a marcação e proceda a furação e fixação.

Para instalar o trilho
- Defina a altura do trilho
- Meça a distância do teto até o primeiro furo de cima do trilho.
- Fure e coloque o primeiro parafuso prendendo o trilho (como um pêndulo). Deixe o parafuso frouxo, de forma que você consiga movimentar o trilho.
- Faça o pêndulo parar e estará no nível, marque os outro furos
- Fure a parde e parafuse os trilhos
- Fixe os suportes.

Dicas:
- Se for colocar muito peso em cima da prateleira, tome alguns cuidados para não fazer barriga em sua prateleira:
* Escolha uma tábua de madeira e não de MDF.
Se tiver que ser MDF escolha um beeeeeem grosso (entre 20 e 30mm)
* Não  coloque os suportes muito afastados um do outro.
*Use bucha e parafuso adequados ao peso. normalmente a no. 06 ou a 08 são ideais.
- Se for instalar em locais de passagem:
*Cuidado com a altura para não bater testas e ombros ao transitar próximo à prateleira. Coloque na altura da cintura pra baixo, ou 4 dedos acima da cabeça. Assim evita-se acidentes.

Lista de materiais
Para pintura:
- Tábua de madeira
- Tinta
- Rolinho de espuma e pincel
- Pincel
- Lixa d’água

Para instalação
- Nível
- Furadeira e broca para parede no tamanho da bucha utilizada
- Trena ou régua
- Suporte (mão francesa ou trilho para prateleira)
- Bucha e parafuso
- Chave estrela ou de fenda (dependendo do tipo de parafuso)

Me acho horrível explicando as coisas… humpft!
Você tem mais alguma dica? Coloca aí nos comentários que eu adiciono ao post!

Gostaram? Gostam de posts longos e explicativos assim?
Me contem!

© 2014 asperipeciasdeeva.com.br Suffusion theme by Sayontan Sinha