antes de depois quarto infantil pequenoTem muita gente esperando as fotos do quarto de Dorica e ando tão sem tempo de fazer as coisas que esse quarto já teve umas 4 versões, mas só consegui me organizar pra fotografar e postar agora. Quem sabe depois eu não procuro outras fotos e faço um post com as outras versões, né?

Sábado passamos rapidamente por Recife e Dora pediu pra passar pelo Poço novamente, e nós fomos. Dorica chorou com saudade e todos ficamos meios saudosos. Não era uma saudade tristes, era saudade de um tempo vivido com felicidade. Acho que os 5 anos de Poço foi das épocas em que fomos mais felizes (Sem contar o período de Jampa) e não tem como não sentir um certo saudosismo.
Mas tem uma coisa que eu real,ente sinto falta: JANELAS GRANDES.
Anota aí Eder Jules: primeira reforma dessa casa eu quero JANELÕES… hahahahaha.

Voltando pro quarto de Isadora…
Todo post que eu começo a escrever sobre a casa, tenho vontade de falar da dificuldade de organizar por ela ter cômodos pequenos. A gente tem que rebolar e usar muita criatividade.
O quarto de Dora é o que demanda mais atenção porque ela usa muito o quarto dela pra brincar, pra ler, estudar… Minha vontade é fazer um mesanino com cama e espaço pra leitura e embaixo espaço pra estudar e brincar, mas por enquanto fica nos planos.

Apesar de não ter sobrado muito espaço livre, ela me contou que essa foi a forma que ela mais gostou do quarto, porque as duas camas deixam o quarto mais confortável (e só agora eu percebi que não tem foto da disposição das camas, mas fica uma paralela a outra e o espaço entre ela é o suficiente para uma pessoa).


As duas pranchas de pinos foram pintadas na cor favorita de Dona Doricas e fixadas acima da cama. Sobre elas colocamos os livros que ela tanto se orgulha e adora tê-los por perto.
Pra ganhar espaço a gente decorou a prateleira com os brinquedos dela:
- Lego e bichinhos em caixinhas e potes transparentes;
- Quadros pintados por ela;
- A coleção de relógios;
- As bonecas Pepas que ela ama e que foram presente da Lia Agio (e também são confeccionadas por ela);
- Bonequinhos que ela modelou com lego, barro, biscuit, papel alumínio;
- Maquininha analógica que ela ama e foi presente de Samara e Ivan do Instituto Candela;
- Maletinha do Pequeno Príncipe que ganhou de Fernanda Reali;
- e mais um monte de quinquilharia que dá o maior trabalho pra limpar, mas são peças afetivas (e de uso dela do dia a dia) que refletem a personalidade dela e que fazem ela virar pra mim e dizer que ama o quarto dela <3

Pra resolver o problema dos inúmeros gibis jogados pela casa toda, combinamos de distribuí-los pela rua para as crianças que encontrássemos em nosso caminho. No início ela resistiu, mas depois concordou e ainda me disse que foi muito bom ver a felicidade das crianças que ganhavam e que ela ficou feliz também.
Deixamos apenas os gibis mais novos e o primeiro que ela ganhou. Pra eles não ficarem por aí, ganharam um suporte (que já serviu pra um monte de outras coisas… hahahah). O suporte é nada mais, nada menos que barras de banheiro para toalhas.
Outro ponto complicado no quarto de Isadora são os bichinhos de pelúcia. Ela é alérgica, mas nunca conseguiu viver sem bichinhos, a gente faz rodízio, mas ela sempre quer mais e sempre tem alguém (eu e Vovó Margaret) fazendo novos bichinhos de pano pra ela. Aproveitei as barras de sustentação da prateleira, passei elástico e prendi alguns bichinhos.

Do outro lado do quarto, pintei nuvens pra menina que vive no mundo da lua e sonha em voar como um pássaro. Tentei fazer com carimbo e com stencil, não deu certo, então pintei à mão.
Na cama, o primeiro presente dela (Cachorrão! 12 anos depois ele está firme e forte), A almofada toy (da La Pomme) em formato de Torre Eiffel e uma almofada de coração que Dorica costurou!


Na mesa lateral tem aparelhinho pra ouvir música na hora de dormir, caixinhas com estampa La Pomme da Coleção “Eu Amo Paris”, máscara de dormir e suculenta que Cactus Lira vende na feirinha de UFPB.
A almofadinha de nuvem, adivinhem de onde??? La Pomme, claro! hahahaha


Em frente às camas fica a mesa de estudos (leia-se bagunça). Fiz um móbile super fácil com retalhos de papel colorido e o nome dela com papéis estampados
Tentei deixar na mesa só as coisas essenciais para estudo, maaaas quem disse? Além dos dicionários que ela ama, os lápis de cor, hidrocor e o mural de recados tem um monte de fofíces (mais torres, mais relógio, mais bichinhos e etc, etc, etc…)

No fim, como já falei lá em cima, o quarto ficou do jeito que ela curtiu, com elementos que falam dela e pra ela.
Não gastei nada, usei só as coisas que  a gente já tinha em casa e elementos afetivos e que contam a história dela!

E aí curtiram?

Um beijo!

Quando a gente topa cuidar de um bichinho a gente sabe que a probabilidade de vê-lo morrer é muito maior que a do seu bichinho ficar sem você. Mas apesar de saber disso a gente nunca espera que aconteça. A gente alimenta a esperança de que esse dia está longe de chegar.
A gente, mesmo sem querer, é tomado pelo amor e pelo companherismo incondicional que eles oferecem, mas um dia eles vão, seja por uma doença, seja por velhice. É triste e doído, mas o dia chega.

A nossa amarela (Nina) não resistiu à doença e foi correr na praia do céu dos cachorros. Foi uma despedida triste, distante (ela estava internada quando aconteceu), mas bonita e cheia de significados, eu não vou relatar aqui porque foi uma experiência íntima demais não sei se cabe neste espaço. Quem quiser, me chama no privado e eu conto (sabendo com quem tô falando. :)
Eu não me desesperei, nos dois dias seguintes estava totalmente em paz, sabia que tinha sido a hora dela ir, aqui ela só estava tendo sofrimento.
Depois de uns dias fiquei triste, senti falta, como não podia ser diferente… Foi um sentimento diferente do que imaginei que seria, não era dor, não era desesperado, era triste, vazio.

Mas eu não queria alimentar tristeza, não queria lembrar dela com tristeza, ela trouxe muita coisa boa pra nossa vida, pra ficar marcada pela tristeza que deixou. Mas, como Dorinha disse, a casa estava vazia!
Ficamos procurando um cãozinho pra adoção, queria uma cadelinha, foi então que apareceu essa foto no meu feed

Me apaixonei por esses olhinhos e essa linguona de fora! Tentei contato e não consegui. Deixei pra lá, fiquei com medo de estar sendo afoita e precipitada.
Uma semana depois ela apareceu no meu feed novamente. Dessa vez eu insisti, fui visitá-la e já voltei com ela!

Ela trouxe alegria pra casa de novo, claro que ela não substitui Nina, mas assim como Nina fez um dia, ela trouxe vida pra nossa casa.
A ironia da história é que ela estava sem dono porque o dono antigo morreu. Como Beta me falou em um comentário “Corações partidos curando corações partidos.”
E essa é Pop (Pop porque pula como pipoca!), depois de passar pelo veterinário, tomar banho e, claro, ganhar um lencinho!

Agora começa um novo ciclo!
E começa tudo do zero, todos os ensinamentos, todo o nosso aprendizado. E vai ser delicioso, vai sim!

Hoje foi dia de celebrar a vida! De agradecer e comemorar com alegria a chegada dessa pequena serelepe. Ficamos em casa, mexendo aqui e alí, numa mistura de “preguiçar” e cuidar das coisas. Em meio à lembranças e um sentimento de gratidão.
E pra marcar esse novo ciclo, resolvemos plantar a mudinha de Pitanga que tava esperando por esse momento!
Plantamos a primeira de muitas árvores da #eiecasatartaruga.


*a melancia tava estragada e a gente enterra todo o material orgânico da casa pra virar adubo :)

A semana encerrou com um sentimento bom de esperança.
Pra mim e pra vocês eu desejo uma semana feliz, com sorrisos e amor. Com força e garra!

Beijoca pra vocês!

Na mudança pra casa nova eu já estava convencida e conformada por não ter sala, já que a sala seria nosso escritório e eu acreditava que não teríamos muito espaço para sofá, mesa de centro e etc.
Deixei meus sofás em Recife e vim feliz sabendo que não teria espaço pra eles.

Chegando aqui depois de conseguir colocar as coisas em seu devido lugar eu percebi que não tava assim tão feliz com a sala/escritório. Tava feio, tava sem graça. Eu queria um cantinho aconchegante. Mas não tinha nem espaço nem móvel pra um cantinho assim.
Mas eu me conheço, não ia sossegar enquanto não deixasse a sala/escritório mais fofa e aconchegante.
Aproveitei que precisamos tirar todos os móveis da sala pra embutir os fios e pintar, joguei um charme no marido e convenci ele a remanejar os móveis de forma que sobrasse espaço pra um sofá.
O que um cheiro no cangonte não faz, heim? Marido topou e até concordou que a gente precisava ter um sofá.
Oba!

Mas a gente não tinha sofá e palavras como “comprar” “gastar” tão riscadas de nossa lista decorativa. Toda e qualquer decoração da casa deve ter custo zero!
Tem nada não, tinha uma cama box boiando, sendo causadora de problemas por não ter onde colocar. E ela passou de patinho feio causadora de problemas para um cisne lindo que resolveu meus “problemas”

Forrei a cúpula do abajur, pintei um móvel pra usar como mesa lateralfiz novas almofadas e pronto!
Agora eu tô feliz com minha sala/escritório, tô sim!

Já tinha usado esse artifício e adorava, olha aqui!
Essa é uma opção bem legal pra quem tem pouco espaço. Um sofá que também é uma cama, sem o desconforto de um sofá cama!
O pai de Eder ficou uns dias por aqui e  nós deixamos nosso quarto pra ele. O sofá foi minha cama e de Eder por 10 dias (a base serve como cama também, mas só pra quem gosta de colchão duro!).

Nina aprovou! E vocês aí, usariam uma cama como sofá?

beijocas e boa semana pra vocês!

P.S. Amanhã tem novidade por aqui!

Em todo meu histórico de pinturas em casa só 2 vezes comprei tintas coloridas.
Uma pra pintar essas cadeiras e a outra pra pintar a parede desse quarto.

Não me arrependi, mas não tenho a menor vontade de fazer novamente.
Acho muito mais legal temperar minha própria tinta e criar minha própria cor.

A dica vale pra qualquer tinta à base de água: látex, acrílica, pvc e até a esmalte {lembrando que tem a esmalte a base d’água e solvente e só dá certo se for a base d’água, mesmo o vendedor da loja diga que não serve}

Essa mistura serve pra pintar parede, madeira, papel, praticamente todo tipo de material… depende do tipo de tinta que você escolher (veja instruções do fabricante da tinta).

Você só vai precisar de tinta branca à base d’água (branco neve) e corante líquido ou pó xadrez.
O corante líquido é mais fácil de trabalhar e resulta em cores mais abertas. O pó xadrez tem uns macetes pra “não embolar” e resulta em cores mais terrosas (que eu particularmente não gosto). Se for necessário você pode usar numa mesma mistura o pó xadrez e o corante líquido.

Basicamente você vai misturar o corante com a tinta. Mas tem alguns truques e dicas:
- Antes de jogar o corante direto na tinta, faça um pré teste em um pouquinho de tinta a parte para ter certeza que eles se misturam sem problemas.
- Pra temperar usando o corante líquido é só jogá-lo direto dentro do recipiente com tinta branca e misturar. Mas se o corante for em pó, não joque direto porque será difícil conseguir uma mistura homogênea (vai embolar). Dilua previamente o pó, usando água. Num recipiente a parte, adicione água ao pó aos poucos até que fique líquido. Utilize um píncel para ajudar a dissolver e misturar. Aí sim você pode ir jogando essa mistura, devagar, na tinta branca.
- Não coloque uma grande quantidade de corante de uma vez, vá colocando aos poucos e misturando até chegar num tom um pouco mais claro que o desejado, porque depois de seco a tinta tende a escurecer. Pra testar, pinte um pequeno pedaço da superfície e espere o tempo de secagem ao toque para ver a cor como vai ficar. Leve também em consideração o local onde essa tinta vai ser aplicada, locais mais iluminados vão dar a impressão de uma cor mais claro e locais mais escuros vão dar a impressão de cores também mais escuras.


- É bom ir testando o tom da tinta sempre antes de acionar mais corante ou criar pincele a tinta em alguma superfície para ter uma noção melhor da cor.


- Se for criar uma cor composta, use um programa tipo Photoshop para ver a composição da cor desejada e ter noção das proporções de cada cor na composição. Não serve como parâmetro exato, apenas como norteador.
-Tente calcular mais ou menos quanto de tinta você vai usar e na dúvida faça a mais para não correr o risco de acabar e ter que fazer uma nova têmpera. Se isso acontecer você ficar com tintas de cores diferentes. Se não for usar toda a tinta branca, use um vidro com tampa para fazer a mistura, isso facilitará a identificação da cor posteriormente, caso sobre tinta.

Dica extra: você pode substituir a tinta branca por cola branca e terá como resultado uma cor mais pura (já que ao secar a cola fica transparente e a tinta não sofre a interferência da cor branca). Mas essa mistura só servirá para pequenas pinturas em objetos,  pintura de telas ou pintura decorativa em parede com essa e essa.

No mais é só seguir as instruções do fabricante da tinta.
Já fiz alguns posts com dicas de pintura:
- Restauração de móveis
- Paredes coloridas

Vantagens:

- Economia! Sai mais barato comprar a tinta branca e o corante que comprar a tinta preparada na cor desejada. Com uma mesma lata de tinta você faz várias cores. Só tempere a quantidade que vai usar.
Tendo tinta branca  e corantes você sempre poderá fazer a cor da tinta desejada em casa.
-Divertido! Escolha a cor, teste, misture, procure o tom certo, prepare sua própria cor!

Desvantagens:

- Se você não fizer a quantidade suficiente e tiver que refazer, ou se precisar fazer retoques futuros, provavelmente não conseguirá novamente o mesmo tom.
- Nem sempre você conseguirá atingir o tom e cores exatas que deseja, diferente de ter uma tabela de cores onde se escolhe exatamente a cor desejada
- Prático! Vai na loja, paga, leva e pinta (ou manda pintar)!

As fotos do post foram feitas de celular enquanto preparava cor da prateleira do quarto de Dorica!
Olha um pedacinho:
Em breve aqui!

Uma semana azul pra vocês :)

Domingo começa a tarefa de tranformar nossa nova casa em nosso novo lar!

E vamos começar pelo quarto da pequena {ok, ela não é mais pequena, mas nós mães merecemos chamá-los assim eternamente, ok?}. Ela merece!

Já temos a paleta de cores e a lata de tinta…

Nos desejem boa sorte e acompanhem pelo instagr.am {@evinhac}!

Isso, exatamente isso que o título tá dizendo!

Essa semana nos mudamos de casa, de cidade, de estado!
Em busca de um ritmo menos acelerado e um pouco mais de qualidade de vida, escolhemos João Pessoa pra ser a cidade sede das nossas vidas a partir de agora!

Minha avó falava que pedra que muito rola não cria limo!
E eu não quero criar limo não! Eu quero ter coragem de mudar sempre que achar que é hora!
Fiquei muito feliz com um trecho de um livro que recebi por inbox de Aline, por ela dizer que nos enxergava naquelas palavras.
Porque a coisa que eu tenho mais medo é de estagnar pelo medo (e eu devo muito a Eder por segurar em minha mãe e atravessar o mundo comigo, me ajudando a superar meus medos e a não deixar que eles me parem)

Não tive muito tempo de me despedir dar pessoas. Apesar de ter sido uma mudança planejada, não por minha vontade, nossos planos foram atropelados e as coisas aconteceram mais rápido que deveria ser. Sinto por não ter dado um beijo e um abraço em algumas pessoas. Mas Recife fica logo alí, não é mesmo? :)

Da #casapoço eu já vinha me despendindo e para registrar isso criei a hashtag no instagr.am {segue lá também: http://instagram.com/evinhac}, assim poderia congelar pedacinhos que sei que me farão lembrar dela com alegria.

A casinha vermelha do Poço da Panela (bairro de Recife) foi um lugar onde nós fomos muito felizes, acho que a única casa {até hoje} onde eu vivenciei um sentimento de pertencimento, algo difícil de explicar. Cuidamos dela como se fosse única e como se fosse nossa para sempre. Era nosso refúgio, de onde nunca tinhamos vontade de sair, queriamos ficar nela e curtir ela o tempo todo.

O quintal-jardim era nosso “orgulho” nosso carregador de baterias, de sorrisos, de alegria, de energia. Nele cada planta foi plantada com carinho, cada uma tem uma história. A jabuticabeira que trazia pássaros lindos, a pitangueira que estava mais alta que nós e foi plantada de uma mudinha de um palmo…

Enfim… fez parte de nossa história com muito amor. Mas não falo nada dessas coisas com pesar ou com tristeza, apenas com a emoção boa de ter vivido todas as coisas que vivemos alí. O sentimento é de muita alegria e expectativa pela nova vida que queremos construir.

Enquanto eu postava as fotos de despedida, recebi muitas mensagens de motivação, de felicitação…
Mas umas de “poxa” “que pena” “você vai sair dessa casa linda?” e por aí vai… Se você foi uma dessas pessoas que escreveu algo assim, eu confesso que no início fiquei pensando como seria deixar essa casa.
Mas estamos tão felizes com nossa escolha que não foi nem um pouco triste essa despedida.

Além disso a nossa casa era gostosa porque nós cuidamos para que ela fosse assim e assim faremos novamente.
É só olhar alguns links pra lembrar como era quando chegamos.

http://asperipeciasdeeva.com.br/2009/02/cozinha-2/

http://asperipeciasdeeva.com.br/2011/03/nosso-jardim/

http://asperipeciasdeeva.com.br/2009/12/casa-colorida/

Na nova casa não será diferente! Faremos ela ser linda, ser gostosa e aconchegante. Ser a nossa casa contando nossa história mais uma vez :)
Pra me despedir, deixei recadinhos nas paredes de giz e uma cartinha para novo morador!

Espero conseguir fazer uma nova casa feliz na nossa #eiecasatartaruga!
E espero poder mostrar aqui todo o processo!

Feliz demais, cheia de entusiasmo e de ideias!
Obrigada a todos que acompanharam, torceram, mandaram recados e energias positivas :)

Duas foticas do nosso primeiro dia em terra pessoense!

© 2014 asperipeciasdeeva.com.br Suffusion theme by Sayontan Sinha