OMG!!!!!!
Minha bebê, cadê essa menininha que cabia em duas mãos?
Quando foi que ela se tornou essa moça tão linda? Foi o tempo de um suspiro…


Pois é, o tempo voa e quando a gente menos espera a filha que antes dependia de você para tudo, agora é sua colega de trabalho!
Tava remexendo umas fotos antigas pro editorial de dia das mães da La Pomme e revivi tantas histórias incríveis que vivemos nesses 13 anos de Doricas. 3 estados, 5 cidades e um amor gigante dentro do peito.

Aliás reviver e criar memórias preciosas é a proposta da La Pomme para o dia das mães!

E sobre ser colega de trabalho. Sim! Dorica pediu pra trabalhar na La Pomme e está ajudando na preparação dos layout.
Além disso, encaramos um projeto juntas que me deixou contente e orgulhosa. Ela desenhou sua primeira estampa para loja: Unicórnio Encantado e nós preparamos um editorial bem bacana, com fotos do universo mágico dessa minha menina.
No link tem 25 curiosidades sobre ela e as fotos.


Vai encher meu coração de alegria se passar para uma visitinha e me contar o que achou!

Beijoca!
Evinha

antes de depois quarto infantil pequenoTem muita gente esperando as fotos do quarto de Dorica e ando tão sem tempo de fazer as coisas que esse quarto já teve umas 4 versões, mas só consegui me organizar pra fotografar e postar agora. Quem sabe depois eu não procuro outras fotos e faço um post com as outras versões, né?

Sábado passamos rapidamente por Recife e Dora pediu pra passar pelo Poço novamente, e nós fomos. Dorica chorou com saudade e todos ficamos meios saudosos. Não era uma saudade tristes, era saudade de um tempo vivido com felicidade. Acho que os 5 anos de Poço foi das épocas em que fomos mais felizes (Sem contar o período de Jampa) e não tem como não sentir um certo saudosismo.
Mas tem uma coisa que eu real,ente sinto falta: JANELAS GRANDES.
Anota aí Eder Jules: primeira reforma dessa casa eu quero JANELÕES… hahahahaha.

Voltando pro quarto de Isadora…
Todo post que eu começo a escrever sobre a casa, tenho vontade de falar da dificuldade de organizar por ela ter cômodos pequenos. A gente tem que rebolar e usar muita criatividade.
O quarto de Dora é o que demanda mais atenção porque ela usa muito o quarto dela pra brincar, pra ler, estudar… Minha vontade é fazer um mesanino com cama e espaço pra leitura e embaixo espaço pra estudar e brincar, mas por enquanto fica nos planos.

Apesar de não ter sobrado muito espaço livre, ela me contou que essa foi a forma que ela mais gostou do quarto, porque as duas camas deixam o quarto mais confortável (e só agora eu percebi que não tem foto da disposição das camas, mas fica uma paralela a outra e o espaço entre ela é o suficiente para uma pessoa).


As duas pranchas de pinos foram pintadas na cor favorita de Dona Doricas e fixadas acima da cama. Sobre elas colocamos os livros que ela tanto se orgulha e adora tê-los por perto.
Pra ganhar espaço a gente decorou a prateleira com os brinquedos dela:
- Lego e bichinhos em caixinhas e potes transparentes;
- Quadros pintados por ela;
- A coleção de relógios;
- As bonecas Pepas que ela ama e que foram presente da Lia Agio (e também são confeccionadas por ela);
- Bonequinhos que ela modelou com lego, barro, biscuit, papel alumínio;
- Maquininha analógica que ela ama e foi presente de Samara e Ivan do Instituto Candela;
- Maletinha do Pequeno Príncipe que ganhou de Fernanda Reali;
- e mais um monte de quinquilharia que dá o maior trabalho pra limpar, mas são peças afetivas (e de uso dela do dia a dia) que refletem a personalidade dela e que fazem ela virar pra mim e dizer que ama o quarto dela <3

Pra resolver o problema dos inúmeros gibis jogados pela casa toda, combinamos de distribuí-los pela rua para as crianças que encontrássemos em nosso caminho. No início ela resistiu, mas depois concordou e ainda me disse que foi muito bom ver a felicidade das crianças que ganhavam e que ela ficou feliz também.
Deixamos apenas os gibis mais novos e o primeiro que ela ganhou. Pra eles não ficarem por aí, ganharam um suporte (que já serviu pra um monte de outras coisas… hahahah). O suporte é nada mais, nada menos que barras de banheiro para toalhas.
Outro ponto complicado no quarto de Isadora são os bichinhos de pelúcia. Ela é alérgica, mas nunca conseguiu viver sem bichinhos, a gente faz rodízio, mas ela sempre quer mais e sempre tem alguém (eu e Vovó Margaret) fazendo novos bichinhos de pano pra ela. Aproveitei as barras de sustentação da prateleira, passei elástico e prendi alguns bichinhos.

Do outro lado do quarto, pintei nuvens pra menina que vive no mundo da lua e sonha em voar como um pássaro. Tentei fazer com carimbo e com stencil, não deu certo, então pintei à mão.
Na cama, o primeiro presente dela (Cachorrão! 12 anos depois ele está firme e forte), A almofada toy (da La Pomme) em formato de Torre Eiffel e uma almofada de coração que Dorica costurou!


Na mesa lateral tem aparelhinho pra ouvir música na hora de dormir, caixinhas com estampa La Pomme da Coleção “Eu Amo Paris”, máscara de dormir e suculenta que Cactus Lira vende na feirinha de UFPB.
A almofadinha de nuvem, adivinhem de onde??? La Pomme, claro! hahahaha


Em frente às camas fica a mesa de estudos (leia-se bagunça). Fiz um móbile super fácil com retalhos de papel colorido e o nome dela com papéis estampados
Tentei deixar na mesa só as coisas essenciais para estudo, maaaas quem disse? Além dos dicionários que ela ama, os lápis de cor, hidrocor e o mural de recados tem um monte de fofíces (mais torres, mais relógio, mais bichinhos e etc, etc, etc…)

No fim, como já falei lá em cima, o quarto ficou do jeito que ela curtiu, com elementos que falam dela e pra ela.
Não gastei nada, usei só as coisas que  a gente já tinha em casa e elementos afetivos e que contam a história dela!

E aí curtiram?

Um beijo!

“Quem aqui já assistiu Procurando Nemo?
Quem não assistiu, assista. É uma ótima aula de biologia”
Assim começa a palestra de Rita Mascarenhas, Bióloga coordenadora do projeto Tartarugas Urbanas – Guajiru.
A ONG Guajiru atua na conservação e recuperação de tartarugas marinhas e educação ambiental na Paraíba há 12 anos.

É um trabalho feito por voluntários que doam um pouco do seu tempo e conhecimento para tornar o projeto viável e ajudar esses animais ameaçados de extinção.
A espécie comum que desova na costa paraibana é a tartaruga de pente, assim chamada pela beleza do seu casco que era utilizado para confecção de pentes e adornos.
As tartarugas nascem e fazem uma viagem pelo mundo em busca de alimento. São fiéis ao local de seu nascimento (só põem ovos no mesmo lugar que nasceram), por isso, com mais ou menos 30 anos, quando alcançam maturidade sexual, elas fazem uma importante viagem de volta para reproduzir e colocar em média 130 ovinhos enterrados na areia. Por esse motivo é tão importante a preservação das praias e sua vegetação nativa, afinal se as tartarugas daquele local não encontrarem condições para reprodução serão extintas.
Além do tratamentos dos animais que chegam doentes ou feridos, uma das ações mais significativas da ONG são as cesarianas de areia que salvam uma média de 12mil tartarugas por ano em um trecho urbano de 7 km de praia.

20140504-083131.jpg

20140504-083117.jpg

Naturalmente os filhotes de tartarugas nascem durante a noite. Mais ou menos 55 dias depois que os ovos são colocados os filhotes rompem o ovo, cavam a areia e chegam à superfície, em seguida, guiadas pela luz dos astros refletidas na água, seguem em direção ao mar.



20140504-083415.jpg
Com a urbanização da orla, as luzes da cidade desorientam as tartarugas que seguem para o lado contrário e morrem cansadas, desidratadas ou até atropeladas. Para evitar isso, todo os dias as praias são monitoradas em busca de ninhos, estes são identificados e cercados (para evitar o pisoteio) e quando as tartarugas estão prontas para nascerem, elas são retiradas da areia pela equipe da ONG durante o dia e colocadas na areia para que, guiadas pelo reflexo do sol no mar, façam o caminho correto e cheguem até a água.



De cada mil tartarugas, uma ou duas chegam à fase adulta. As outras servem de alimento para outros animais ajudando a manter o equilíbrio na cadeia alimentar.
*Texto escrito baseado nas palestras da ONG.

O texto vai ficar (ainda mais) longo, mas é algo que eu precisava deixar registrado aqui.
Antes de mudar para João Pessoa eu já conhecia o projeto e quando mudamos fiquei com muita vontade de fazer parte disso, mas não consegui por conta da bagunça da mudança, adaptação. Enfim…
De alguma forma o universo conspirou pra que um desejo adolescente… (Sim! O meu projeto de vida era me tornar bióloga marinha, viver na praia ou em alto mar e dedicar meus estudos aos animais. Mas no meio do caminho tive que escolher e eu abri mão disso pra ser mãe e o sonho ficou guardado).
Voltando para conspiração do universo:
Um dia Rita entrou em contato com a La Pomme porque precisavam de camisetas para Guajiru – A ONG mantém uma pequena loja com o propósito de levantar recursos para manutenção das atividades, já que não possuem incentivo financeiro externo. É a venda dos produtos disponibilizados que garante a continuidade do trabalho.



As camisetas ficaram lindas e foi um trabalho que eu realizei feliz da vida, pensando nos caminhos que trilhamos, relembrando do meu sonho…
No dia da entrega das camisetas, resolvemos ficar por alí e ajudar um pouco.
Isadora me intimou: Mãe, eu quero ser voluntária! Deixa, por favor!
Ah! Como negar isso? Minha filha não estava me pedindo pra ir ao shopping ou pra lhe comprar coisas caras ou fazer um passeio vazio. Ela queria fazer parte de um projeto que trabalha em prol do coletivo. Não deu pra negar (e na verdade eu não queria). Agora, uma vez por semana nós 3 vamos lá doar um pouquinho do nosso tempo.
Ainda ficamos um pouco perdidos, mas emoção de estar alí é demais.
Ver Isadora empolgada e apaixonada em cuidar da natureza, estar na praia, estar em contato com um pedaço de um sonho antigo.
Sem contar a energia boa que girar em torno das pessoas, o sorriso no rosto, mesmo andando no sol quente, na areia fofa. Nós 3 juntos <3
Eu poderia escrever o resto da vida e não conseguiria explicar  a felicidade de sentir um filhotinho de tartaruga nadando sobre meu pé, de ver Isadora e Eder ajudando no nascimento das tartaruguinhas, de ver presenciar a corrida dessas pequenas em direção ao mar e ver elas ficarem elétricas quando sentem a água do mar…

Sou grata pela minha vida e pelos caminhos que ela tem me levado!
Sou grata pelas pessoas com quem tenho cruzado.

Quem quiser conhecer o trabalho da Guajiru:
www.guajiru.com.br/
www.facebook.com/tartarugasurbanas

Quem quiser ajudar a ONG pode adotar um ninho ou adquirir os produtos da lojinha.
Em breve estará no ar uma loja on line.

E lembrem-se descartem seus lixos de forma correta, pense num consumo consciente, descarte o uso de sacolinhas ou embalagens sempre que der. É assustadoramente crescente o número de animais doentes e mortos com obstrução intestinal causada por plástico. Como diz Rita, até techa de computador já foi encontrada dentro da barriga das tartarugas.
Cuidem da vegetação da praia, aquele “mato” tem um função essencial para reprodução das tartarugas e para o equilibrio da praia. Evite andar sobre a vegetação, não plante coqueiro (o coqueiro não é vegetação típica da orla, faz sombra e mata a vegetação rasteira), não jogue lixo.
Nós não estamos acima da natureza, nós fazemos parte dela e precisamos dela também.
Cada um pode fazer a sua parte, sem precisar sair de casa pra isso, basta pensar nas suas ações e mudar alguns hábitos!


Um beijo pra vocês de uma pessoa que está se sentindo muito feliz!
:)

{Fotos retiradas do facebook do Projeto Tartarugas Urbanas, meu instagram @evinhac e da La Pomme @lojalapomme}

20140302-010814.jpg

#doricafaz11
Minha filhota tá ficando mocinha! Olho pra ela e não acredito que tenho uma filha grandona assim. Não faz muito tempo, era eu quem tinha 11, sentada no “play” do prédio, sonhando com o dia que completaria 15.
Mas voltando ao assunto…
Esse ano pensamos em não comemorar o aniversário de Dora por questão de economia. Mas achei que seria super importante pra ela, já que estamos numa cidade nova e uma reunião de amigos em casa seria uma ótima oportunidade de estreitar laços.
Decidido! Doricas ia comemorar o aniversário com os amigos!
Ficou decidido fazer um simples lanche numa tarde de domingo e só. A diversão ficaria por conta da criançada!
Eu e Eder colocamos a mão na massa e não compramos nada pronto.

20140302-011836.jpg

20140302-011853.jpg

20140302-011930.jpg

Não fizemos nada demais
- brigadeiro
- beijinho
- pão caseiro
- patê de azeitona
- patê de alho
- sanduíche de sardinha
- sanduíche de queijo
- suco de maracujá
- self service de bolinho (explico em baixo)
O negócio ia ser tão simples, que nem decoração ia rolar. Maaaaaas quem disse que eu aguento?
Tinha umas sobras de papel colorido do ateliê que iam pra reciclagem e eu achei desperdício, então guarde. Era hora de usar!
Fiz dois tipos de tiras – argolas de papel e papel costurado. Pendurei no teto prendendo com fita adesiva de silicone.
Super simples, mas deu um colorido super legal!

20140302-013509.jpg

20140302-014106.jpg

O resto da mesa fui montando com coisas que tinha em casa!
A toalha da mesa é um pedaço de malha.
A suqueira é um filtro plástico.
O prato duplo para bolinhos é da Chá com Chita (Recife).
O baleiro eu já tinha e como todo mundo pergunta, comprei no atacadão dos presentes (Recife).

E a parte mais legal de todas: o bolo!
O bolo que não teve, Isadora não gosta de parabéns e por isso nunca cantamos e também não faz questão de bolo tradicional.
Então decidimos fazer bolinhos como no aniversário anterior e Isa sugeriu deixar a “molecada” fazer uma “melecada”: cada uma montava o seu seu com as coisas preferidas. Essa foi a melhor ideia! Foi um sucesso e a maior farra!
A receita do bolinho é do Pitadinha e super fácil!
As coberturas foram:
- brigadeiro de colher (branco e chocolate) – é só fazer o brigadeiro normal e no fim acrescentar a caixa de creme de leite.
- doce de leite
- confete
- coco ralado
- bolinhas crocantes
- castanha

20140302-015809.jpg

20140302-015834.jpg

20140302-015857.jpg

20140302-015919.jpg

Além do “comando de valer” que Eder faz e que já é tradição, as brincadeiras foram sendo sugeridas por elas no decorrer da tarde. Teve dança das cadeiras, gato mia, imagem e ação, pega-pega. Teve a hora da fofoca e segredinhos (da qual eu participei, claaaaaaaro)… E eu ganhei muitos abraços e o apelido de Diva!
Foi muito legal ver Dorinha tão feliz, querida pelos amigos…

20140302-021329.jpg

20140302-021048.jpg

20140302-021021.jpg

20140302-020943.jpg

20140302-021433.jpg

No fim do dia a casa tava toda suja, tinha chocolate espalhado por tudo quanto é canto, eu tava sem voz, sem pés, um caco! Mas o coração tava cheio de amor!
Dorica foi dormir radiante e eu que tava preocupada em fazer algo simples e divertido fui dormir feliz com a lição de que onde tem pessoas (principalmente crianças), coisas são descartáveis!

20140302-021708.jpg

20140302-021728.jpg

20140302-021757.jpg

*fotos de celular (eu amo instagram… Pra ver muita foto de cachorro e de comida é só seguir @evinhac)

Aniversário de 10 anos aqui
Aniversário de 8 anos aqui


Isadora não para de falar NUNCA! É uma tagarela de plantão.
Durante o almoço ela começou:

- A hora do lanche é a hora mais esperada do dia.
E eu que {ainda} estou acostumada com uma filha que dava trabalho pra comer respondo:
- Essa é a menina que não gostava de comer
- Quem manda você preparar lanches deliciosos?

E meu coração se encheu de amor. E não foi pelo elogio ao lanche. Foi porque desde que Isadora saiu da amamentação exclusiva que dá trabalho pra comer.
Só aceitava o que conhecia. Só se alimentava bem com fruta, suco e leite (minha salvação, pelo menos as escolhas eram saudáveis). Nunca gostou de almoço, comia porque tinha que comer (quando comia). Não experimentava nada novo (até uns 4 anos nunca tinha experimentado sorvete, por exemplo).
Comer era uma mera obrigação, assim como tomar banho e arrumar o quarto.

O coração encheu de amor por perceber que 10 anos depois as coisas estão melhores!
E esse mérito é todo nosso! E não tô me gabando enquanto mãe, fiz muita merda no meio do caminho: deixei sem comer, gritei, bati (sim, já dei umas palmadas nela, não me julguem. Foi errado, mas eu fiz), fiz chantagem e mais um monte de coisas que só atrapalham o processo. Mas não desistimos, não cedemos à imposição dela em não aceitar alimentos novos. Pra mim, a nossa persistência foi o ponto chave. Estávamos em busca de soluções o tempo todo!
Até o momento que eu percebi que não adiantava eu ficar frisando: Isadora não come, Isadora dá trabalho pra comer e por aí vai. Não adiantava eu entrar nesse jogo.
Comecei a tornar a comida algo prazeroso, E o experimentar algo recompensador onde ela tinha a oportunidade de conhecer algo novo e dizer se gostava ou não. Já contei aqui que levá-la pra cozinha e deixar que me ajudasse a cozinhar e preparasse coisinhas, além de ser divertido ajudou muito. Inventamos um jogo das experimentações, onde ela experimentava algo novo e tinha que descobrir se gostava ou não e porque. Qual era a textura, o sabor a sensação de comer aquilo, tudo isso enquanto a gente cozinhava. Inventava misturas (de suco por exemplo) onde não dava pra identificar visualmente quais os ingredientes e aí ela tinha que sentir o sabor pra descobrir o que tinha dentro. Claro que não podia começar com algo desconhecido, sempre fazia os primeiros com algo que ela gostasse e aos poucos ia inserindo coisas novas. Foi assim que ela descobriu que não gostava de cenoura cozinha, mas AMA crua.
Ela começou a entender que experimentar é bom e começou a criar uma relação diferente com a comida.
Ela ainda tem suas restrições e ainda coloca na cabeça que não gosta de determinadas coisas, mas já se permite quebrar essa barreira.

E você pode se perguntar, mas se ela tinha uma alimentação saudável e comia fruta, porque tanta preocupação?
Porque eu não queria uma filha “fresca”, não queria que ela “sofresse” e aprendesse “com a vida” diante de uma necessidade. Eu já passei fome e sei o quanto ser “enjoada” pra comer pode dificultar a vida. E eu não queria isso pra ela. Não era uma preocupação nutricional. Era mais de formação do indivíduo Isadora.

E o que me deixa ainda mais orgulhosa e feliz é que os lanches dela não são os lanches “mais desejados” pelas crianças, não são as “porcarias” industrializadas que vemos por aí.
Hoje ela foi feliz da vida porque o lanche era suco (da fruta) + torrada e patê (queijo + azeitona + iogurte natural + temperos), ontem ela levou iogurte natural + com kiwi e maça, adoçado com mel.
Ela aprendeu a comer bem e se orgulha disso, e identifica o que é saudável ou não.
Me contou que na escola muitas colegas lancham todo dia refri e salgadinho e sabe que isso não é legal.
Veio me dizer que não achou “tão saudável assim” o lanche saudável que a escola propõe, porque tinha club social integral no cardápio mensal.
E ela é uma criança de 10 anos, que “deveria” (deveria nada) estar triste porque tem que levar fruta enquanto as colegas tomam refri, mas se sente orgulhosa porque sabe (e gosta) dos benefícios de uma alimentação saudável.
E no fim disso tudo, todos nós saímos ganhando porque pra chegar onde chegamos, nós, como pais, tivemos que mudar nossos hábitos também.

Fez meu dia feliz, fez sim!
*Fotos do instagram, segue por lá também: @evinhac
**Claro que ela leva o lanche com coisinhas personalizada da La Pomme!

Toda vez que resolvo comemorar o aniversário de Isadora, coloco a diversão em primeiro lugar. E tem que ser diversão compartilhada e  não cada um se divertindo sozinho, quero ver a meninada correndo de um lado pro outro, rindo junto, brincando junto!
No aniversário de 8 anos foi bem assim. Ela diz que até hoje os colegas comentam como foi legal!

Dessa vez não podia ser diferente, e o mote foi literalmente diversão.
Escolhemos essa palavra pra ser o ponto de partida e pra nortear a “montagem” da comemoração usamos o tema: “Jogos não eletrônicos.”

Preparar identidade visual pro aniversário de Isadora é fácil e desafiador ao mesmo tempo.
Isadora tem muita personalidade, sabe o que quer! Não gosta de rosa e suas variantes, nem de temas muito femininos. Usar algo que ela não goste e convencê-la que fica legal não é fácil. A gente “briga” mais que tudo até o layout sair!
O bom é que por conta dela saber muito bem do que gosta e do que não gosta o resultado fica sempre a “cara” dela.
A dose certa de fofura e descontração com esses mostrinhos divertidos e simpáticos!

Escolhi acoplar, no convite, um botton, dessa forma ficava mais interativo e as crianças poderiam usar no dia do aniversário! Serve inclusive pra festas que precisam de identificação (o que não foi o caso porque a comemoração foi em casa)
No convite gosto sempre de deixar claro que não é uma festa e sim uma momento de brincadeiras, para que as crianças estejam bem a vontade.


Isabela veio (foi…rs) pra participar, porque nunca teve a oportunidade de estar num aniversário de Dora.
Me ajudou com os preparativos todos e foi uma ajuda e tanto! Eu não faço muitas coisas, não faço decorações excessivas e mesmo assim é um trabalho e a ajuda dela foi fundamental. Sem contar que tê-la por perto é sempre bom!


Uma coisa que eu prezo quando comemoro o aniversário dela é a lembrança. Prefiro gastar com isso do que com uma mega decoração, cheia de balões e coisas que não vão perdurar. Então, além da sacolinha de doces (que não pode faltar, senão parece que não teve aniversário) sempre faço alguma coisa legal e, preferencialmente, útil. Para as sacolinhas eu apenas enchi quadradinhos de tecido com os doces e amarrei em cima com uma fita personalizada e pendurei uma tag de agradecimento. Já a lembrancinha, fiz um kit de jogos para viagem que  consiste numa sacolinha com 6 plaquinhas rígidas com material de lousa com jogo da velha, batalha naval, forca, pontinhos e lousa. Aproveitamos a parede para giz com a estante amarela pra arrumar as lembrancinhas e sacolinhas, além de potinhos de bolinha de sabão – atração para crianças entre 8 meses e 80 anos (você resiste a uma bolinha de sabão?). De um lado Isa escreveu com giz o nome de Dora com a tipografia que escolhemos e do outro lado Dora reproduziu os bichinhos.



Fotografia Dany, Danielle

Fotografia Dany, Danielle

Preparamos algumas “estações” de diversão:
Em uma parte do terraço coloquei “mesas” feitas com pneu (coloquei uma base de papelão em cima do pneu e embulhei com malha esticando bastante). Em cada mesa um jogo legal (Curral, UNO, soletrando e dominó de matemática).
Do outro lado usamos dois cavaletes e uma porta pintada de cinza para montar outra mesa. Nela, desenhamos com giz colorido tabuleiros de dama, as peças do jogo eram latinhas cheias de mini confete, quem comesse a peça do outro poderia comer o chocalate da latinha (tão simples e foi a sensação! Todo mundo queria jogar e comer chocolate). Sobre a mesa também tinha algumas pranchetas com folhinhas de batalha naval.
No jardim da frente colocamos uma mesinha baixa com desenhos para pintar e giz de cera para os menores.


Fotografia Dany, Danielle

Fotografia Dany, Danielle

Fotografia: Dany, Danielle

Fotografia: Dany, Danielle

O outro espaço desejado foi o quinta/jardim! Lá Eder sempre fazia uma brincaderia chamada “comando de valer” e depois, pra fechar com chave de ouro, banho de mangueira!
Não teve parabéns, porque Isadora não gosta, então escolhemos não fazer bolo. Fizemos muffins com cobertura de chocolate e beijinho que ficaram com carinha de cupcake enfeitados com topos coloridos. Isso facilitou o acesso das crianças que não precisaram esperar o parabéns pra comer, tudo sem protocolo nenhum.
Na mesa principal, arrumamos os bolinhos com ajuda de cestos de tamanhos diferentes pra criar níveis, docinhos variados (jujuba, confeito…) em saquinhos fechados com solapa, docinhos em forminhas coloridas e  latinhas com chocolate.
Na sala fizemos uma mesa com salgados, bolo de rolo e outros belisquetes, além de suco e água.
Não teve foto dessa vez, mas repetimos a suqueira feita com um filtro transparente como no aniversário de 8 anos, onde as crianças podiam se servir e um baleiro (esse tem foto) cheio de doces!


Quase todos os elementos utilizados estão disponíveis na La Pomme, é só clicar no banner pra conferir.
O filtro transparente para suco e o baleiro comprei no Atacadão dos Presentes (Recife)
Os docinhos, salgados e bolo de rolo foram da Casa dos Doces (Recife) (gosto do serviço deles. Tudo sempre fresquinho e gostoso com entrega no horário combinado)

E foi assim o niver de 10 anos da nossa monstrinha :) , que também foi uma espécie de despedida da #casapoço e dos amigos da escola!
Foi simples, foi em casa, foi divertido, foi do jeito que a gente ama, com pessoas queridas!

Tem mais fotos no blog da Dany!

;)

Hoje é dia de #sextacriativa! E quarta é feriado e dia das crianças! Então pra quê melhor uma retrospectiva com vários posts que já passaram aqui com coisinhas legais pra fazer pro (a) filhote (a)?

Vamos relembrar!
Enquanto vai relembrando, elege aí o que você vai fazer com ele dia 12! Ah! nem precisa ser dia 12 né? pode ser qualquer dia, porque amor e carinho não tem data nem hora né não?

_MG_9889

Uma Cabaninha rápida e charmosa!


Huuuuum! Pão francês temperado, pra fazer um lanche delícia!


E que tal, hamburguer caseiro?


Agora não me diga que você jogou fora aquela caixona do fogão novo? Porque nela dá pra fazer uma perfeita casa de papelão

E se você não consegue decidir a cor da decoração do quarto, que tal uma Estante colorida?

Yes! Um quadro “negro”colorido… (Mas não façam como eu! Não coloquem um cabideitro embaixo da lousa, senão tudo que tá nele vai encher de pó de giz!

E o que você me diz de um varal de revistas para incentivar a leitura?!

Se tem bolo de caneca, tem sorriso e alegria!

Pra demonstrar um tiquinho do amor esse café da manhã feliz é sempre infalível!

Eu já reaproveitei uma sacola e fiz uma Almofada divertida!

Vocês podem se lambuzar de tinta preprando peças exclusivas pra decorar a casa fazendo Estamparia artesanalcarimbos!

A imaginação das crianças não tem limites, incentive! Olha uma ideia pra entretê-los por um bom tempo: bonecos de caixinha

escreva para seus filhos mesmo que eles não saibam ler. Um dia eles saberão e terão um tesouro!


Casinha de boneca!!! Toda com materiais reutilizados! Dá pra adaptar tranquilamente para os meninos fazendo uma fortaleza ou castelo!
Compre sementinhas e pinte vasinhos para plantá-las!
Viram quantas atividades legais pra fazer junto!?
E você te mais alguma dica legal?! Conta aí!
Ah! Lá no blog da La Pomme tem mais 3 ideias legais nessa #sextacriativa!
Um final de semana lindo pra vocês!


Sábado é dia de faxina aqui em casa, consequentemente dia de lavar as paredes do banheiro!
E todo sábado eu me deparo com uma parede colorida, cheia de carinho!

Comprei giz/lápis para usar no banho na tentativa de fazer Isadora reclamar menos pra tomar banho. Mas pra minha grata surpresa ela transformou o as paredes do banheiro num mural lindo! Recadinhos e desenhos povoam as paredes a semana toda e no sábado dá dó de apagar! Mas até que é bom porque abre espaço pra novos desenhos e recados :D

E vocês deixam recadinhos pras pessoas queridas onde?

Tenho falado muito sobre Isadora por aqui né?
É que as coisas estão bem intensas e o tempo é sempre curto e ela sente muito. Então todo tempinho que tenho extra, tenho procurando fazer coisas com e para ela.

Outro dia resolvi cumprir uma promessa: Comprar dicionários de líguas pra ela.

Fazia um tempinho que ela me pedia e eu ficava meio que me perguntando se não era cedo, se valia a pena comprar isso agora.
Até que me dei conta que meus questionamentos eram idiotice, que no máximo ela ia demorar um pouco mais pra usar, mas que seriam úteis sim!

Poucas vezes vi Isadora tão empolgada, entusiasmada e feliz com algo que iria ganhar, como vi com esses benditos! No dia que falei: “Vamos na Cultura comprar seus dicionários!” Juro que parecia que eu tinha dito: “Vamos alí compra um videogame pra você!”

Chegou em casa e praticamente devorou os 3, não sabia qual lia primeiro.
Achou a parte de conversação e ficou horas e horas atrás de mim me falando as novas frases que havia aprendido.

a

E eu? Eu ainda não sei porque me surpreendo com essas coisas dela!
Fiquei lá estendendo minha roupa e feliz vendo a minha pequena…

Acho que absolutamente toda criança tem uma relação de magia com cabaninhas e Isadora não é diferente!
Sempre pede pra fazer cabaninha, na cama, na cozinha, na minha cama, no chão… daquela que é só enche com um monte de travesseiros e jogar lençol em cima!

Dia desses navegando pela net num site gringo que não me recordo mais qual, vi um cabaninha molezinha de fazer!!! Na hora eu lembrei que tinha todo material (que não é muito) e prometi a ela que faria uma surpresa!

E esse sábado foi o dia de cumprir a promessa!

_MG_9889

Arrancar sorrisos de Isadora não é muito difícil não! E pra arrancar mais alguns eu precisei de:

4 ripinhas de madeira (eu usei essas que coloca no acabamento da soleira da porta)
1 cabo de vassoura
+/- 2 metros de tecido
2 metros de fita de cetim
Furadeira
Broca chata no. 22


Com a broca chata faça um furo nas quatro ripas (na mesma altura)

Encaixa o cabo de vassoura e assim bem rápido e simples fica pronta a base!

Depois é só medir o tecido, cortar e fazer o acabamento com costura!
Se não sabe costura usa cola quente ou cola de tecido.
Ah! não esquece de colocar fitinhas pra amarrar na armação.
E pra armação não abrir amarra uma madeirinha na outra com uma fitinha!

Eu coloquei umas luzinhas de Natal, não curti mas Isadora gostou, então ficou!
Nem preciso dizer que ela amou né?
E ainda inventou de dormir na cabana, eu ão queria deixar dormir no chão (o colchão não cabe dentro), mas Eder botou pilha! Dobrou um edredon, arrumou dentro da cabana e disse que podia! E ela dormiu a noite toda quetinha e acordou com um sorriso feliz!

_MG_9979


_MG_9982

No outro dia já tinha até plaquinha de Boas vindas!
Gostaram? É suuuuper fácil de fazer!
Coloque a mão na massa e ganhe um sorrisão do filho, sobrinho, neto!!!

Eu ganhei um sorrisão, um super abraço e um VALEU MÃAAAAAE!

Boa semana pra vocês!!1

© 2014 asperipeciasdeeva.com.br Suffusion theme by Sayontan Sinha