OMG!!!!!!
Minha bebê, cadê essa menininha que cabia em duas mãos?
Quando foi que ela se tornou essa moça tão linda? Foi o tempo de um suspiro…


Pois é, o tempo voa e quando a gente menos espera a filha que antes dependia de você para tudo, agora é sua colega de trabalho!
Tava remexendo umas fotos antigas pro editorial de dia das mães da La Pomme e revivi tantas histórias incríveis que vivemos nesses 13 anos de Doricas. 3 estados, 5 cidades e um amor gigante dentro do peito.

Aliás reviver e criar memórias preciosas é a proposta da La Pomme para o dia das mães!

E sobre ser colega de trabalho. Sim! Dorica pediu pra trabalhar na La Pomme e está ajudando na preparação dos layout.
Além disso, encaramos um projeto juntas que me deixou contente e orgulhosa. Ela desenhou sua primeira estampa para loja: Unicórnio Encantado e nós preparamos um editorial bem bacana, com fotos do universo mágico dessa minha menina.
No link tem 25 curiosidades sobre ela e as fotos.


Vai encher meu coração de alegria se passar para uma visitinha e me contar o que achou!

Beijoca!
Evinha

*Oi, o Trololó é grande, se você só quer ver a fotos, rola a tela, se quiser um bocadinho de prosa sobre a minha vida, senta, pega um cafezinho que lá vem conversa!

Tem muita coisa nova acontecendo dentro de mim.
Sabe quando você entra numa casa fechada e abre todas as janelas? Já reparou como parece que uma energia diferente, positiva e motivadora toma conta do espaço?
É mais ou menos assim que ando me sentindo.
Eu sempre fui muito positiva, bem Poliana, sabe?
Mas sinto que tava perdendo o brilho da vida. Andava estressada e estafada. Uma certa descrença começava a querer se instalar e não! Eu não podia deixar isso acontecer. Eu quero uma vida que faça sentido, que tenha brilho no olho e muita luz entrando pela janela.

Fazer a transição, me reencontrar e me reconectar com meus valores não é algo simples, nem fácil, muito menos rápido.

Já repeti milhões de vezes que a mudança pra Jampa é parte desse desejo de mudança, mas mudar de cidade não é como virar um chavinha e plim! todos os problemas foram embora (na verdade eles nunca vão, sempre tem uma perrenga pra resolver, mas a forma como os encaramos faz toda diferença).
Me obriguei a sair de casa mais vezes, a fazer coisas novas e diferentes, mas vou te contar um segredo: me vi de novo no automático, estressada, irritada, exausta.
Percebi que eu precisava mudar, mudar a mim e o modo como eu enxergava a vida e agia.

Esse entendimento não caiu do céu e veio, como normalmente as coisas vêm pra mim, intuitivamente. Foram dias, meses, pensando na minha vida enquanto produzia, enquanto lavava prato. Sempre que tava fazendo coisas mecânicas meu pensamento viajava pra um lugar onde eu conversava comigo e só!

Esse processo tem sido libertador e eu tenho que agradecer imensamente à Rafa Cappai da Espaçonave e à Laurellie (por ter me apresentado à Paleo).
Assisti todos os vídeos da Rafa, de uma série chamada #vamoquevamo, e ela me motivou, me fez enxergar que se eu quiser, eu posso, mas, apesar de entender, ainda andava perdida, não conseguia colocar certas coisas em prática, não conseguia me concentrar, me organizar. Não achava o botão do foco. A Transformação tava acontecendo, mas tava tudo fora do lugar.
E aí que entra a Paleo, depois que mudei minha alimentação eu alcancei um nível de entendimento e de controle sobre mim que nunca tinha experimentado: mais concentração, menos ansiedade e uma casa de janelas abertas e muita luz entrando e invadindo a vida.

Agora você deve ta se perguntando: Ô, Eva?! Quêquisso tem com a “decor” da sua sala-escritório?
Seguinte, minha gente:  Vocês sabem que eu ganhei a bolsa pra fazer o curso da Rafa, né? O Decola!LAB!
E esse curso mexe demais com a gente, é um mergulho profundo dentro de si.
Acho, que em decorrência disso, meu local de trabalho começou a me incomodar, trabalhar olhando pra parede, minha mesa ficava num local de passagem e tava sempre caótica, bagunçada, espremida!
Aquilo começou a me dar um siricutico. Eu sou assim, às vezes eu preciso mudar tudo de lugar e quando eu faço isso permito e contribuo pra energia circular.

Sábado, mesmo cansada, vindo de uma semana muito tensa (Eder fez uma cirurgia – simples, mas eu sempre fico apreensiva, correria pra deixar tudo em dia e em ordem antes da cirurgia), com Eder ainda se recuperando, eu resolvi mudar TUDO aqui no ateliê, eu precisava de espaço, um espaço meu (tá tudo ligado gente! Lembra quando eu falei de precisar me enxergar na minha casa? Faz parte desse processo), um espaço que acompanhasse essa mudança. Não queria trabalhar de cara pra parede, nem num lugar que não me sentia bem.

Agora eu trabalho olhando cores, vendo as coisas que me motivam: fotografia, livros (apesar de não gostar de ler, eu AMO livros), coisinhas que me recordam bons momentos
No domingo, passei o dia estudando na minha mesa nova e tudo fluiu tão melhor.
A gente muda dentro e o exterior tem que acompanhar :)

Vista da minha mesa:

20141019-225618-82578168.jpg

Máquinas de várias fases fotográficas de nossa vida. Muitas fotos e elementos que remetem à fotografia. Será que eu amo?

20141019-230046-82846812.jpg

20141019-230045-82845746.jpg

20141019-230049-82849540.jpg

20141019-230024-82824977.jpg

20141019-230047-82847850.jpg

Esse “quadrinhos” de Paris são porta copos que Fernanda Bérgamo trouxe de lá de presente pra mim <3
O telefone foi um achado num ferro velho.

20141020-174059-63659397.jpg

*Preste reparo nos toys de lego que minha Doricas fez: um pinguim e um gatinho <3

20141019-225619-82579225.jpg

20141019-230022-82822563.jpg

Bandeirinhas cheias de sorrisos e alegria (e a cadeira tá escalada pra uma reforma)

20141019-225620-82580433.jpg

20141019-225652-82612321.jpg

Mais um cantinho com delicadezas:
- Quadrinho de Nanda Teixeira
- Foto do Por do Sol no Engenho Anjicos
- Suculenta da feirinha orgânica
- Bonequinhos que foram topo de bolo num aniversário de Dora
- Um vaso que compramos numa viagem à Natal
- E uma divindade presente de Talma

20141020-174057-63657141.jpg

O que a tinta spray não fizer por você, nada mais faz! Oi amarelão :)

20141019-225651-82611286.jpg

Meu caderno colorido de estudos <3 (da La Pomme, claaaaaro)

20141019-225653-82613062.jpg

20141019-230023-82823782.jpg

20141019-225654-82614118.jpg

Porta chaves, bolsa e casaco na entrada de casa, feito com moldura entalhada por um artesão de Olinda.

Agora eu tô felizinha da silva com meu cantinho criativo de trabalho <3

beijoca!

Eita que hoje eu tô super feliz!

Pra quem não sabe minha mãe, a Diva Margaret, tem um shopping virtual com lojas e produtos bacanas e cheios de amor.
A Divitae entrou em uma nova fase e eu tive a honra de fazer parte dela.
Além de ter feito algumas peças para as fotos institucionais pela La Pomme e trocar muita ideia com minha mãe sobre melhorias e tudo mais, fui a responsável pela parte mais legal: As fotoooooos! :)

Minha mãe veio pra Jampa com uma super modelo, linda e maravilhosa: aquela moça linda do Delineado gatinho, mais conhecida como minha irmã… hahahahah
Isa foi ótima durante as fotos. Adoro fotografar ela porque ela não reclama, não dá chilique, faz o que a gente pede e o resultado é sempre super legal!
Além disso ela foi a responsável pela nova marca, porque ela não é só mais um rostinho bonito na net, ela é uma designer MUITO talentosa (cês sabem disso, né?)

Foi muito bom ter minha mãe aqui em casa por uns dia e foram dias de muito trabalho, de noites viradas mas muito divertidos.

E porque eu tô falando tudo isso?
Porque hoje foi pro ar a #novadivitae e tá tudo tão lindo e eu tô tão orgulhosa que precisa vir aqui contar!!!!


Olha aí minha mãe divando enquanto a gente fazia os ajustes de luz e cenário <3

Vem gente! Vem ver que coisa mais linda: divitae.com.br

Beijo pra vocês!

Tenho um orgulho danado da minha filha, pode ser “apenas” corujice de mãe, mas ela é a filha perfeita pra mim. É uma menina muito companheira e observadora. Adora ler, escrever e desenhar!

Esses dias ela postou esse texto no facebook dela:

Tem gente que acha que lar, é o lugar onde mora,é casa, onde vive e onde dorme…
Quando na verdade não é bem isso, lar é um lugar onde você está com sua família, ou com a pessoa que você ama.
O lar não é formado por coisas materiais, nem construída com cimento e tijolo, nem pintada com tinta, o lar pode ser a sua casa, desde que você se sinta feliz com esse lugar, ou então tenha pessoas que você ama nele! O seu lar pode ser uma barraquinha de acampamento, mas você pode estar com a pessoa que você mais ama nela. Do que adianta ter uma mansão e ser rica ou rico se você não pode dar e compartilhar com as pessoas que você ama? Não adianta de nada, temos que aproveitar as pessoas que amamos, que gostamos e temos de aproveitar a vida! Pois a vida e as pessoas podem acabar de uma hora pra outra, dinheiro nem sempre é tudo!

Achei de uma sensibilidade incrível {Já disse lá em cima que sou coruja, né?) e guardei pra trazer pra cá.
Alguns dias depois Beta Bernardo fez o post de nosso ensaio e se referiu a nós assim: um lar em João Pessoa!
Acho fantástico o fato de muitas pessoas se referirem a nós como família. Algumas pessoas nos encontram e dizem: “Oi, Família!”. Talvez isso se deva ao fato de estarmos praticamente o tempo inteiro juntos. Mas nunca ninguém havia captado algo que é tão verdade pra nós: Nós 3 somos o nosso lar, seja lá pra onde formos. Como Isadora disse, pode ser uma barraquinha! Ou como Beta registrou, debaixo de algumas árvores com os pés no chão!


Justo agora que estamos passando por um momento muito mágico que é reconstruir (fisicamente) outro lar, em outro lugar! É um momento cheio de expectativas, de esperança e planos!
Mas Beta {e sua fotografia} é assim mesmo: sensibilidade pura! As imagens que vi quando ela me mostrou o ensaio eram o retrato fiel do nosso lar. Eram imagens permeadas de amor, de sorrisos… éramos nós!
Engraçado é que acompanho o trabalho desde sempre e o que via era sentimento puro, bruto e lindo em cada imagem postada em sua fan page. Mas ver fotos minhas e de minha família foi um sentimento inigualável.

Explico melhor!
Sempre tive horror, pavor, psicose que me fotografassem, até a adolescência eu literalmente corria de foto ou me escondia. Depois passei a permitir que me fotografassem, mas nunca me senti a vontade com essa situação.
Não me sentia bem vendo fotos minhas (só gostava das fotos que eu mesma fazia de mim). Não tem a ver com vaidade, com gostar ou não do que vejo no espelho, era não me ver na imagem de mim mesma… louco né?! Enfim…

O lance é que Beta já havia lançado a ideia de fotografar a gente e eu recusava, meio que esquivando (mentira, me esquivando completamente).
Mas aí que ela chegou por aqui, nesse momento tão bom que estamos vivendo e eu achei que merecia um registro, achei que devia nos permitir.
Claro que eu esperava imagens bonitas, com muito desfoque no fundo, com muito contraste e uma superexposição perfeitamente colocada!
Errei feio, dancei com minhas expectativas. Beta sambou na minha cara e me deu um dos melhores presentes que já ganhei na vida, mudou a forma como eu me enxergava e mudou completamente a minha relação com o “me ver” em fotografias.
Pois é… eu não alimentei expectativas com relação a essas fotos, não por não confiar no trabalho de Beta (trabalho que sempre amei, babei, venerei), mas por me conhecer e achar que não me enxergaria naquelas imagens, que teria imagens lindas, nas quais não me reconhecia (tenho probleminhas, assumo! Ou tinha!).

Então… foi uma sambada com classe. O que Beta fez não foram imagens simplesmente, ela fez a magia da fotografia acontecer, ela congelou e nos deu de presente pra guardar pra sempre aquele momento tão nosso, sentimentos que só nós 3 (e agora ela) conhecemos. Não foi simplesmente apertar o botão, foi saber despertar e captar nossa essência, foi fazer as escolhas corretas pra contar um traço da nossa história.
Quando eu vi as fotos eu não sabia se ria, se gritava, se chorava! Eu surtei. Eu me ENXERGAVA!  Eramos nós 3 – nosso lar!


E não tem mais nada que eu possa falar ou descrever que consiga traduzir o que eu senti!

Eu só posso dizer: Obrigada, Beta!!!!! (Porque o abraço sufocante eu já dei!!!)
E pedir pra vocês correrem lá no site dela e apreciar milhões de sentimentos sensivelmente traduzidos em luz e sombra por Beta Bernardo!
Clica aqui pra ver as outras fotos da gente e aproveita e olha os outros ensaios belíssimos!

Um dia, quando eu ainda assistia televisão, me encantei com uma família do reality show troca de família.
Me encantei pela cumplicidade, pela união e respeito entre eles… não sei explicar… empatia, simplesmente.
Uma das filhas estava estudando fotografia e na época minha paixão por fotografia estava aflorando. Cacei o flickr dela e comecei a acompanhar seu trabalho.
Ambas vivendo em Recife, nos encontramos algumas vezes e ela é simpatia pura! Um sorriso que contagia!

Flora tem um trabalho sensível, cativante, ao olhar as imagens sentimos toda a suavidade e vitalidade como se estivéssemos nela! Eu adoro!
Ela faz umas imagens dos avós dela, seus velhinhos, que são puras, singelas, delicadas, só vendo pra sentir!


Fez um vídeo lindo deles e o apresenta assim:
“quem me conhece um pouquinho ou acompanha meu instagram tá acostumado a ver sempre os meus velhinhos. de um tempo pra cá também comecei a filmá-los, a gravá-los. escutando e olhando do mesmo jeito que sempre fiz sem câmera. nesse meu último semestre na faculdade, paguei uma cadeira de captação de som e decidi usar esse material como trabalho pra disciplina. taí um recorte deles, da minha memória, de um trabalho que não começou nem vai terminar aqui.”

Pra conhecer mais do trabalho dela (e se emocionar) é só seguir os links aí embaixo! Vale MUITO a pena!
http://www.flickr.com/florapimentel
http://www.florapimentel.com.br
http://www.vimeo.com/florapimentel

Não dava pra lançar essa coleção na La Pomme e não vir aqui mostrar e nem preciso explicar porquê né?
Mas eu vou contar um pouco sobre minha história com fotografia porque muita gente pergunta!

Ela começa {sem eu ter consciência disso} quando eu tinha entre 8 e 10 anos. Meu pai tinha sido fotógrafo uns anos antes dessa época, {e agora é fotografo novamente} e tinha muito material de fotografia guardado no quartinho da bagunça. Eram livros, slides, negtivos, fotos preto e branco reveladas por ele. Eu adorava mexer naquelas coisas e um dia encontrei um saco preto com papeis dentro. Eram papeis fotográficos virgens!!!!!!! Esses papeis são sensíveis à luz {escurecem quando expostos a luz} e eu ganhei o saco e passava horas me divertindo na varanda colocando objetos em cima do papel e colocando eles no sol. Onde não tinha objeto ia escurecendo até ficar preto e quando eu tirava o objeto de cima estava lá, em branco, a silhueta do objeto {depois ficava tudo preto e o papel não servia mais, mas era muito legal}.
Mais tarde, já adolescente, ganhei uma câmera, dessas baratinhas, de filme. Nunca consegui revelar o primeiro filme que fiz com essa máquina porque não tive dinheiro. E aí adormeceu minha paixão pela fotografia.


Casei com Eder, que já havia trabalhado com filmagem de casamento por anos e entre uma tomada e outra fotografava com uma rolleiflex por hobby. Por conta disso tivemos um convite pra trabalhar em Recife com fotografia. Timidamente minha paixão foi ressurgindo, acompanhava Eder durante os trabalhos, quando ele trocou de câmera a primeira vez, eu ganhei a câmera antiga {foi uma felicidade e tanta poder registrar o mundo por aí}.

Eu não fiz curso para aprender e Eder só me ensinava o que eu perguntava, tive que aprender por mim mesmo e a medida que vou aprendendo vou me encantando ainda mais. Hoje eu não tenho mais a necessidade que tinha de estar com a máquina em todo lugar que eu fosse. Eu fotografo o tempo inteiro, mesmo sem máquina… mas vejo e registro imagens {na minha cabecinha} o tempo inteiro. Isso é libertador! Depois do instagr.am, então… me realizo, porque consegui me libertar e passar a  registrar fisicamente as coisas que só registrava na mente quando estava sem minha máquina “grandona”.
Digo me liberto, porque não sentia mais vontade de andar com aquele trambolhão de máquina para todos os lugares, e apesar de “fotografar” com os olhos e mente, sentia falta de ter um registro físico. Confesso que tinha preconceito com foto de celular  e preferia não fazer a foto que usar um telefone para isso! E hoje eu fotografo MUITO mais com celular que com minha câmera :)

Eu adoro fotografar coisas, detalhes, texturas, cores, macrofotografia, superexposição e MUITO desfoque. Adoro experimentar coisas novas com fotografia.
Tô querendo me aventurar na fotografia analógica ;)

E vocês curtem fotografia?
Então clica aqui vai lá na loja ver a coleção completa!
Uma coleção linda e colorida para aqueles que enxergam a fotografia além da imagem, sentimento!

:)

O valor que as coisas têm, estão pra lá de longe do quanto elas custaram!
Eu nunca ganhei um buquê de flores de meu marido, porque ele sabe que isso não me diz nada!
Mas já ganhei muitas flores deles, sempre em um vasinho que a gente pudesse replatar e deixar que elas crescessem!

Mas de todas que ganhei até hoje a mais delicada e gentil foi uma que foi retirada do jardim enquanto ele fazia manutenção e depois colocada em um potinho de vidro pra mim! Pra quando eu acordasse!

um amor! uma delicadeza!
Me lembrou a Glau!

BOM DIA!!! BOA SEMANA!!!

Sempre que viajamos de carro eu fico ligada nas paisagens, como ela muda ao longo da estrada! E sempre e em qualquer lugar uma árvore seca vai chamar a minha atenção, eu não sei ao certo porque, só seu que amo os galhos secos! Se estou com a máquina fotográfo SEMPRE! Se não estou eu fotografo na minha mente!
Mais nunca viajamos, mais nunca saí pra fotografar e tenho sentido muita muita saudade disso.
Dia desses marido saiu pra campo pra fotografar e quando chegou me entregou o cartão e disse: tem uma foto aí que é sua :D

Ganhei essa imagem linda e quando li esse texto da Anna Terra lembrei dela! (vale a pena ler)

Ele trouxe outra que eu adorei também, apesar de não ter sido o meu presente!

Fotos: Eder Jules

Beijoca pra vocês!

Eder vive dizendo que perdeu o gosto por comer frutas, que essas que compramos em supermercado não têm gosto, que fruta boa mesmo é futa do pé!
Eu tenho que concordar… Não deixamos de comer frutas por aqui, pelo contrário, comemos bastante. Mas que fruta do pé, amadurecida no tempo certo é boa demais, ah! Isso é!
Uma das vantagens de morar em casa, é poder ter um (nem que seja só um mesmo) pézinho pra comer fruta do pé pelo menos uma vez no ano!

Aqui a gente tem Goiabeira (mas eu não curto), laranjinha kinkan, jabuticaba e pitanga, que depois de dois anos de plantada finalmente deu frutinhas!!!

Eu não provei a pitanga, porque Isadora detona todas!! Mas a Jabuticaba tá uma delícia só!

Beijoca!

Ah! Já tá participando do sorteio? não?!!!!
Então clica aqui menina, e participa!
Ah! se você é menino participa também e presenteia alguém

© 2014 asperipeciasdeeva.com.br Suffusion theme by Sayontan Sinha