20140302-010814.jpg

#doricafaz11
Minha filhota tá ficando mocinha! Olho pra ela e não acredito que tenho uma filha grandona assim. Não faz muito tempo, era eu quem tinha 11, sentada no “play” do prédio, sonhando com o dia que completaria 15.
Mas voltando ao assunto…
Esse ano pensamos em não comemorar o aniversário de Dora por questão de economia. Mas achei que seria super importante pra ela, já que estamos numa cidade nova e uma reunião de amigos em casa seria uma ótima oportunidade de estreitar laços.
Decidido! Doricas ia comemorar o aniversário com os amigos!
Ficou decidido fazer um simples lanche numa tarde de domingo e só. A diversão ficaria por conta da criançada!
Eu e Eder colocamos a mão na massa e não compramos nada pronto.

20140302-011836.jpg

20140302-011853.jpg

20140302-011930.jpg

Não fizemos nada demais
- brigadeiro
- beijinho
- pão caseiro
- patê de azeitona
- patê de alho
- sanduíche de sardinha
- sanduíche de queijo
- suco de maracujá
- self service de bolinho (explico em baixo)
O negócio ia ser tão simples, que nem decoração ia rolar. Maaaaaas quem disse que eu aguento?
Tinha umas sobras de papel colorido do ateliê que iam pra reciclagem e eu achei desperdício, então guarde. Era hora de usar!
Fiz dois tipos de tiras – argolas de papel e papel costurado. Pendurei no teto prendendo com fita adesiva de silicone.
Super simples, mas deu um colorido super legal!

20140302-013509.jpg

20140302-014106.jpg

O resto da mesa fui montando com coisas que tinha em casa!
A toalha da mesa é um pedaço de malha.
A suqueira é um filtro plástico.
O prato duplo para bolinhos é da Chá com Chita (Recife).
O baleiro eu já tinha e como todo mundo pergunta, comprei no atacadão dos presentes (Recife).

E a parte mais legal de todas: o bolo!
O bolo que não teve, Isadora não gosta de parabéns e por isso nunca cantamos e também não faz questão de bolo tradicional.
Então decidimos fazer bolinhos como no aniversário anterior e Isa sugeriu deixar a “molecada” fazer uma “melecada”: cada uma montava o seu seu com as coisas preferidas. Essa foi a melhor ideia! Foi um sucesso e a maior farra!
A receita do bolinho é do Pitadinha e super fácil!
As coberturas foram:
- brigadeiro de colher (branco e chocolate) – é só fazer o brigadeiro normal e no fim acrescentar a caixa de creme de leite.
- doce de leite
- confete
- coco ralado
- bolinhas crocantes
- castanha

20140302-015809.jpg

20140302-015834.jpg

20140302-015857.jpg

20140302-015919.jpg

Além do “comando de valer” que Eder faz e que já é tradição, as brincadeiras foram sendo sugeridas por elas no decorrer da tarde. Teve dança das cadeiras, gato mia, imagem e ação, pega-pega. Teve a hora da fofoca e segredinhos (da qual eu participei, claaaaaaaro)… E eu ganhei muitos abraços e o apelido de Diva!
Foi muito legal ver Dorinha tão feliz, querida pelos amigos…

20140302-021329.jpg

20140302-021048.jpg

20140302-021021.jpg

20140302-020943.jpg

20140302-021433.jpg

No fim do dia a casa tava toda suja, tinha chocolate espalhado por tudo quanto é canto, eu tava sem voz, sem pés, um caco! Mas o coração tava cheio de amor!
Dorica foi dormir radiante e eu que tava preocupada em fazer algo simples e divertido fui dormir feliz com a lição de que onde tem pessoas (principalmente crianças), coisas são descartáveis!

20140302-021708.jpg

20140302-021728.jpg

20140302-021757.jpg

*fotos de celular (eu amo instagram… Pra ver muita foto de cachorro e de comida é só seguir @evinhac)

Aniversário de 10 anos aqui
Aniversário de 8 anos aqui

Adereçar minha casa não é um ato com resultado puramente estético. Decorar é um ato de ocupação, de demarcação de território. Não para os outros, mas para mim. É criar um sentimento de pertencimento. É quase um brandar: “aqui eu habito, este é o meu lugar”
Colocar tinta na parede é pincelar a vida com alegria. Pendurar quadros é perpetuar histórias. Escolher uma roupa de cama é adicionar à casa, afeto.
Penduricalhos, almofadas, móveis não são simplesmente adereços, são ícones, são referenciais. Cores, objetos, móveis dão forma física à nossa energia, sentimentos, lembranças…
E assim a casa vai sendo permeada de sentidos, vai ganhando alma até torna-se um lar. Decoração não é pompa e exibicionismo, é identidade, é o que me permite andar pela casa e me enxergar fora de mim.
Mas um lar não é só decoração, há um tanto de nós na bagunça do dia a dia, na roupa dançando no varal, no leite derramado no fogão.
Lar é um organismo fluido alimentado pelo nosso viver!

E vocês? como enxergam a casa?

Falei tanto por aqui de reforma, de construção e nunca mostrei nadica de nada né?
Depois de um ano (pouco mais) ainda tremo só de pensar o que foram aqueles meses, foi tanto destempero que quando acabou eu não queria mais nem saber de nada e a vontade de postar sobre simplesmente não existia, sem contar que o tempo ficou curto pra atualizar por aqui e passou.

Mostrei o antes e depois do jardim e só né?

Hoje eu achei umas foticas de como ficou a frente:

Eu acho engraçado observar as pessoas passarem na frente da casa e ficar olhando… Algumas chegam a diminuir a velocidade do carro. Não que tenha ficado coisa de outro mundo, mas é que um vermelhão chama atenção mesmo!

Essas duas últimas fotos são mais atuais! Olha que coisa mais linda essa trepadeira! (Na primeira foto da pra ver ela bem pequena).
Demorei tanto pra mostrar que já tá precisando de uma mãozinha de tinta e os toldos de uma boa água com sabão!

© 2014 asperipeciasdeeva.com.br Suffusion theme by Sayontan Sinha